Notícia ruim: E agora?

 

“Notícia ruim chega rápido”, e só sabe o que é desespero quem é o responsável por transmiti-la. Ninguém quer ser o portador de más notícias, mas quando não se tem como fugir, o jeito é engolir o nervosismo e conduzir a conversa na esperança de que a reação seja a mais positiva possível. E no universo corporativo não é diferente. Falar sobre alcance de metas, participação de lucros, fusões e aquisições é sempre maravilhoso, mas e quando o assunto não é tão agradável? Demissões, cortes na equipe, redução de custos e mal desempenho, situações que requerem jogo de cintura e serenidade por parte dos líderes empresariais.

Em cenários como esses, a gestão terá duas opções: Se calar e deixar acontecer, ou posicionar-se e assumir as consequências. Segundo artigo publicado no portal Administradores.com, a primeira alternativa não provoca bons resultados. Considerando o fato de que se omitir é mais cômodo, como controlar as conversar nos corredores e nos grupos de WhatsApp dos colaboradores? A incerteza e conjeturas, gerarão conflitos organizacionais, redução de produtividade e desmotivação.

A transparência é um elemento fundamental para se ganhar e preservar a confiança e credibilidade dos stakeholders, principalmente do público interno. Em tempos de tantas crises e mudanças, os funcionários sentem a necessidade de saber como as transformações econômicas, tecnológicas e sociais afetarão a empresa e sua vida profissional. Segundo estudo realizado pela Confederação Nacional da Indústria em 2020, 71% dos brasileiros experimentaram o medo de perder o emprego em decorrência da pandemia do Covid-19.

Sendo assim, como encarar essa árdua missão? É preciso levar em consideração de que muitas vezes não é O QUÊ se diz que afeta as pessoas, mas COMO se diz. Afinal, uma verdade pode ser contada de diversas formas. Pensando nessa e outras variáveis, trouxemos algumas dicas publicada pela Forbes, uma das maiores revistas de negócios e economia do mundo. Que tal anotá-las?

 

1. Antecipe-se e esteja preparado para perguntas;

2. Seja o primeiro a dar a notícia;

3. Apenas seja honesto;

4. Forneça explicações claras para as decisões;

5. Expresse empatia;

6. Permaneça calmo ao dar a notícia;

7. Não floreie a situação;

8. Domine a situação;

9. Esteja ciente do que não vai dizer;

10. Peça desculpas sinceras e ofereça soluções;

11. Atente-se aos fatos, mas seja atencioso;

12. Use a técnica do sanduíche (comece falando de coisas boas e depois aborde o que é ruim);

13. Entenda as frustrações do receptor.

Fonte: https://forbes.com.br/colunas/2019/04/13-dicas-para-ajudar-a-dar-noticias-ruins/

       

     Ufa. Realmente não é tarefa fácil. Mas lembre-se de dois princípios que vão te nortear nesse processo: EMPATIA e TRANSPARÊNCIA. Ah, e é claro, você não precisa enfrentar esse desafio sozinho.

O setor de CI pode te ajudar, até porque não há ninguém na empresa que entenda mais de diálogo. Utilize a tecnologia com perspicácia. Que tal utilizar a TV Corporativa para atualizar os colaboradores sobre os indicadores? Ou ainda o APP Corporativo para praticar o employee voice, através de um canal de sugestões e ideias? Aplique os recursos que se adaptam a sua realidade e se precisar de apoio, é só chamar. A B2 tem várias soluções em comunicação à sua disposição.

Enfim, o importante é não perder de vista a esperança. Lembre-se que fases ruins também chegam ao fim, e que se desesperar por algo que já aconteceu não irá reparar as perdas. O caminho é enfrentar a notícia ruim com foco, força e fé que dias melhores certamente virão. 😉